Blog pessoal criado em 2003
27 de Novembro de 2007

ALBERTO JOÃO JARDIM

Injustiça!


IN: Jornal da Madeira - 27.11.2007

Para mim, Política é cada um, no seu posto, dar o melhor pelo Bem Comum dos Portugueses e de cada Português, e construir um País de que nos possamos orgulhar. (…) E não deixar confundir a nobreza da Política com a mesquinhez da facção, nem com o culto de “interesses” que não são os dos Portugueses, nem com os episódios menores com que se vai entretendo e distraindo as massas menos atentas ou mais vulneráveis.
Tive ocasião de, publicamente, dizer, há dias, que, na normal evolução ideológica que cada um tem no seu percurso de vida, sentia-me mais afastado de Lisboa.

Não se trata de “separatismo”. Esclareço-o para que os numerosos inquisidores que existem neste País, não entrem de imediato no seu afã “pidesco” contra quem, como eu, não aceita os dogmas desta Situação política a que Portugal chegou.Continuo a ter muito orgulho em ser português.

Desprezo o sistema político, cada vez mais.

Mas se a minha opção de consciência fosse por um separatismo da Madeira em relação ao Estado português, também di-lo-ia sem medo, sem qualquer temor reverencial fosse de quem fosse.Tal como assumo a minha posição de Autonomista.Até seria engraçado, se por acaso, ideologicamente, eu optasse pelo separatismo — o que não é o caso — respeitando sempre nos meus actos a Constituição e as leis, as instituições da República Portuguesa, dita Estado democrático, me reprimissem por isso… por “delito de opinião”!…Mas peço aos Portugueses que compreendam uma coisa.Até por precaução em respectivas causas próprias.

O que pensar de um Estado que, por um lado, teve a coragem democrática de estabelecer Autonomias Políticas nos seus territórios insulares, indo assim de encontro ao sentir legítimo dos respectivos Povos mas, por outro lado, discricionariamente e sem estar em causa a Unidade Nacional, trava indevidamente a evolução político-administrativa destes territórios, alimentando suspeitas, preconceitos e ódios incultos e invejosos?!…

O que pensar de um Estado que, manobrando os meios de propaganda que tem ao seu dispor, por um lado tenta apagar da História os cinco séculos e meio de sonegação de dois terços da riqueza gerado pelo suor dos povos insulares nas circunstâncias físico-históricas de então, e por outro lado transforma as suas responsabilidades com a ilhas portuguesas, numa exageradamente falsa “esmola”, como se de territórios não nacionais se tratassem e apresentando os povos insulares como “gigolos”?!…

O que pensar de um Estado que, por um lado organiza a omissão de tudo o que de positivo se fez e faz nas Regiões Autónomas, sobretudo com receitas próprias ou vindas da União Europeia, quando esse positivo é positivo português, e por outro lado faz com que só se realce o negativo de qualquer obra humana, quando todos até que nos visitam, testemunham semelhante iniquidade de comportamento para connosco?!…

O que pensar de um Estado que é instrumentalizado partidariamente, no tom do mais reles estalinismo, para criar problemas a Portugueses cujo “pecado” é o de, em Democracia, ter opiniões políticas diferentes e ter o Direito de denunciar os que Lhes faltaram à palavra?!…

O que pensar de um Estado que nem sequer reconhece o Serviço que prestam os Autonomistas ao Interesse Nacional, com a postura responsável de não criar à República Portuguesa os problemas de separatismo regional, às vezes até violento, como por exemplo e só para falar dos países geograficamente mais próximos, se assiste na Espanha, na França, no Reino Unido, na Bélgica, etc?!…

O que pensar de um Estado, onde não há a Cultura bastante para se libertar das amarras conceptuais, dos preconceitos e do “quero, mando e posso” dos poderes de Lisboa, ainda e claramente marcas de mais de cinco séculos de Império?!…

E não avio mais o rol, para não incomodar o Leitor com a tristeza que é um Estado ainda assim!Mas manda a honestidade que reconheça que, mesmo dentro do próprio Partido Social Democrata, a organização político-partidária que mais se bateu pela descentralização POLÍTICA insular, também tem havido pessoas mancomunadas com o centralismo jacobino e com “interesses” que não são os de Portugal, assim enjeitando um património político-cultural do PSD!Neste Estado português prega-se tanto a “tolerância”!

Mas este Valor é logo retirado, quando se trata do Direito à Diferença, do Direito de construir Portugal através de caminhos diferenciados e democraticamente mais do que legítimos!Tudo isto leva a compreender porque a sensação de INJUSTIÇA e de discriminação em relação a Direitos que para nós são sagrados e irreversíveis, leve por vezes a um exacerbar de posições, a um grito de revolta.

E daqui nunca passámos…Para mim, Política é cada um, no seu posto, dar o melhor pelo Bem Comum dos Portugueses e de cada Português, e construir um País de que nos possamos orgulhar.

Mesmo quando a maldade de alguns nos ofenda e marginalize.Há que lhes saber perdoar, até pela menoridade intelectual que assim patenteiam, mas sempre com o bom-senso da precaução de nunca esquecer.E não deixar confundir a nobreza da Política com a mesquinhez da facção, nem com o culto de “interesses” que não são os dos Portugueses, nem com os episódios menores com que se vai entretendo e distraindo as massas menos atentas ou mais vulneráveis.

Resguardo-me no conceito de Política que, com erros também, sempre impus a mim próprio.Por isso, disse, estou cada vez mais distante de Lisboa.
publicado por Pedro Quartin Graça às 18:22
Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
20
21
24
26
29
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
11 comentários
11 comentários
10 comentários
7 comentários
6 comentários
5 comentários
5 comentários
5 comentários
4 comentários
4 comentários
Page Rank
Divulgue:
Bookmark and Share
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Com o relvas à ilharga só pode perder!
Não ao servilismo em relação a outros estados; sim...
Considero este texto extremamente rico, ao abordar...
Só uma palavra: concordo!
Obrigado pelo seu comentário.PQG
Lembro-me perfeitamente desse dia trágico: a surpr...
É lamentável, cada vez dou-Lhe menos crédito. Mona...
De acordo com os seus pressupostos mas....como diz...
Caro Dr. Pedro Quartin Graça, em obrigação para co...
Muito lhe agradeço a sua atenção! Parabéns!
Twitter:
    follow me on Twitter
    ResearcherID-Plaxo-LinkedIn-Xing:
    Visualizar perfil de Pedro Quartin Graça no LinkedIn Pedro Quartin Graça Intellectual Property/Patents Expert