Blog pessoal criado em 2003
01 de Fevereiro de 2008

EVOCAÇÃO DO CENTENÁRIO DO REGICÍDIO
INTERVENÇÃO DO DEPUTADO
PEDRO QUARTIN GRAÇA NO PLENÁRIO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA
31.01.2008


Senhor Presidente,
Senhores Deputados,

Quis o regimento desta Assembleia que eu me pronunciasse a 31 de Janeiro, data de uma longínqua revolução republicana no Porto. Neste lugar, já outros evocaram a data, com o respeito pelos homens que fizeram o 31 de Janeiro, ou que o prepararam no campo das ideias.

Também eu quero homenagear o patriotismo e a isenção desses revoltados porque eles faziam da acção política alguma coisa mais do que servir interesses. Esse exemplo de arranque nacional para uma obra concreta em favor das comunidades, o apelo às raízes, a entrega ao bem comum, foi o que ficou.

A dar-lhe o ardor das grandes horas colectivas, havia o sentimento da honra nacional ferida pelo Ultimatum. Para o homem comum, o 31 de Janeiro foi o gesto heróico de um povo que acabava de sofrer o insulto e o esbulho por parte da superpotência da época. E também D. Carlos logo devolveu à rainha Vitória de Inglaterra as condecorações com que o agraciara. Humano e generoso se mostrava também quando, após a revolução frustrada de 31 de Janeiro, referindo-se às prisões dos revolucionários, o Rei recomendava que fossem bem tratados, pois «eram criminosos de pensamento e de ocasião»...

No calendário, o 31 de Janeiro é seguido pelo 1 de Fevereiro e é sobre ele que me quero pronunciar, destacando as figuras europeias de D. Carlos e de D. Manuel II como Chefes de Estado.

O que mais impressionou sempre os que conviveram com D. Carlos era o seu à vontade, o seu natural desembaraço. Pela sua vasta cultura geral, e conhecimento das línguas, a sua informação sobre as grandes questões internacionais, D. Carlos foi por certo um dos monarcas mais europeus do seu tempo.

Com efeito, para se compreenderem as atitudes do Rei a cujas intenções a História começa a fazer justiça, em livros, filmes e inquéritos à opinião, é preciso ter presente que D. Carlos era um Europeu. A sua visão dos problemas, o seu julgamento dos homens, a sua consciência dos tempos, tinham aí o seu ponto de partida. E, foi esse seu modo de ser, que o ajudou na difícil missão, de nos tirar da si­tuação desesperada em que nos deixara o «Ultimatum». É ele que vai ajudar a reconquistar o prestígio perdido.

Compreendendo o valor de um Chefe do Estado isento e prestigiado, e sabendo manejar os interesses e ambições alheias, D. Carlos salvou a posição internacional de Portugal.

Foi no discurso no Guild Hall que conquistou a amizade do futuro Eduar­do VII, e a estima dos meios políticos de Londres, de que então dependiam os destinos internacionais.

Em Paris contribui para a formação da Entente Cordiale de uma maneira que os ingleses tanto reconheceram. E os resultados da acção de D. Carlos manifestaram-se com as visitas a Lisboa, dos Reis da Grã - Bretanha, o imperador da Alemanha, o Presidente da Republica Francesa e os Reis de Espanha.

D. Carlos não foi um génio que a si próprio se julgasse superior. Nenhuma atitude de soberba ou de vaidade pessoal, a História nele regista. Nem mesmo quando foi o centro político da governação de João Franco, pretendeu partilhar as exterioridades do Poder e do Mando.

D. Carlos quer incitar Franco a prosseguir a acção. Escreve-lhe cartas ardentes, entusiásticas. Mas não surge nelas uma palavra de vã glória pessoal ou reveladora do seu apetite de mando.

Antes, bem se nota que só deseja insuflar o seu ardor ao seu Primeiro-ministro para que ele tenha confiança em si próprio e na sua obra.

Assassinados a 1 de Fevereiro, D. Carlos e o Príncipe Real D. Luiz Filipe, o trono passou àquele que Infante nascera, e para simples In­fante fora educado. O Infante D. Manoel assumiu as responsabilidades de ser rei.

Conta-se que um dia, ao ser distribuído o bolo-rei num jantar do Paço, cada um dos convivas procurava na sua talhada, a prenda habitual (antes da ASAE...). Saíra ela ao Príncipe Real que, num gesto de gentileza, a passou disfarçadamente ao Infante. E como alguém lhe perguntasse porque procedera assim, o Príncipe Real respondeu: - Deixe! Ele será Rei sempre que eu possa! E nesse jantar, bebeu-se à saúde do Rei D. Manoel.

Anos volvidos, o Infante subia ao trono, em circunstâncias trágicas.

Nasceu em 15 de Novembro de 1889, dia da proclamação militar republicana no Brasil, e viveu até aos 18 anos em época sombria para a dinastia de Bragança, dada a revolta dos ambiciosos, e a cólera dos medíocres.

Esse ambiente de tempestade, estimulada pela falta de qualidade dos velhos partidos políticos, levou ao crime de 1908, privando o país de D. Carlos, cuja obra inconfundível se está hoje impondo, e
de um Príncipe que era então uma esperança.

A 1 de Fevereiro de 1908, o Infante D. Manoel tomou nas mãos a Realeza de Portugal.

Todos os que o conheceram desde a infância até esse dia trágico, confirmaram a sua bondade, a sua simplicidade, a sua modéstia, a sua sinceridade, a sua inteligência, o seu amor ao saber, o seu culto pela arte, e o seu desejo de bem servir.

A 3 de Outubro, no dia em que mataram Miguel Bombarda, estava D. Manoel II a despacho, assinando os diplomas do Estado. Quando lhe dão a notícia com expressão depreciativa sobre o assassinado, o rei pousou a pena, e observou: «Porque chama isso ao Bombarda? Porque é republicano? Não é razão.
Todos têm o direito de ser o que quiserem ... »

Para D. Manoel II, só existia uma expressão – Portugal, e dentro de Portugal, só conhece portugueses.

Durante o exílio, ninguém lhe ouviu uma palavra desdenhosa ou ofensiva para o país que não o compreendeu; nem contra a desorientação dos partidos monárquicos. Não se queixou aos Soberanos nem aos Governos estrangeiros.

Chefe de Estado por vontade da história, e aclamado rei pelo Parlamento, nada devia a Realeza aos caprichos de qualquer partido, a qualquer grupo de interesses, ou a um sufrágio artificial.

Ainda em Portugal, o problema da classe operária preocupara-o tanto, que no meio da agitação politica tempestuosa, é para ela que a sua atenção se dirige.


Exilado, defende intransigentemente as posições de Portugal durante a 1ª guerra mundial. E morto em circunstâncias ainda por apurar, não se lhe conhece qualquer apoio à 2ª república, o Estado Novo de Salazar, que sobre as suas cinzas ainda quentes, criou uma imagem da inevitabilidade republicana, esbulhando os descendentes do duque de Bragança de um património em que nem a 1ª República se atrevera a tocar.

Senhor Presidente, Senhores Deputados,

Passaram cem anos desde o 1 de Fevereiro.

As transformações político-sociais em curso e os processos inerentes à globalização, cada vez mais exigem pensar globalmente e agir localmente. Cada vez mais carecemos de uma valorização dos factores locais, comunitários e ecológicos que ao longo dos séculos, consolidaram Portugal e conformaram o nosso território.

O recente Tratado de Lisboa veio uma vez mais comprovar que a Europa normal é a que resulta das negociações intergovernamentais entre Estados soberanos, deixando para segundo plano a miragem de uma federação europeia.

O prestígio próprio e institucional do Chefe de Estado e a identificação espontânea e afectiva entre a comunidade portuguesa e o seu representante máximo são cada vez mais indispensáveis para o reconhecimento externo e para vitalidade interna do país europeu, atlântico e lusófono que somos.

Nestas circunstâncias, é necessário e legítimo que os portugueses se interroguem sobre se a Chefia do Estado deve apenas depender, como a actual Constituição estabelece, de um acto eleitoral cada vez mais objecto de absentismo; ou se, pelo contrário, deverá processar-se mediante uma escolha simultaneamente ética, cultural e histórica, uma escolha legitimada por consenso democrático e assente na sua ligação às raízes de Portugal.

Parece claro que, na sua maioria, os portugueses não são maioritariamente nem monárquicos nem republicanos; são democráticos. Mas, chamados a debate, querem "o bem da república" no sentido clássico do bem comum. E, convidados à reflexão, reconhecem que a Instituição Régia que observam nas modernas monarquias europeias – e com os exemplos muito recentes do prestígio do rei dos Belgas, da rainha de Inglaterra e do rei de Espanha – é a melhor garantia de equidistância perante as demais instituições nacionais e perante os Estados nossos parceiros na União Europeia.

Cem anos depois do duplo crime do 1 de Fevereiro, não é sensato que o país continue a desperdiçar esse tesouro que outros povos souberam preservar: a independência e a dignidade institucional do Chefe do Estado por meio das instituições monárquicas.

Um monarca tem, de facto, condições para promover com eficácia e isenção a solidariedade nacional e a independência do poder judicial e das Forças Armadas, bem como para projectar a nossa representação externa com prestígio e continuidade.

É esta a reflexão que aqui deixamos, convictamente seguros de que os Reis hão-de regressar, mas que só o farão com o apoio e correspondendo ao apelo do Povo português.

Como reprovamos o comportamento daqueles que, por despacho, impedem agora a participação de bandas militares na evocação de um antigo Chefe de Estado de Portugal.

Assembleia da República, Lisboa, 31 de Janeiro de 2008

O DEPUTADO

PEDRO QUARTIN GRAÇA
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
posts recentes

...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
2 comentários
Page Rank
Divulgue:
Bookmark and Share
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Com o relvas à ilharga só pode perder!
Não ao servilismo em relação a outros estados; sim...
Considero este texto extremamente rico, ao abordar...
Só uma palavra: concordo!
Obrigado pelo seu comentário.PQG
Lembro-me perfeitamente desse dia trágico: a surpr...
É lamentável, cada vez dou-Lhe menos crédito. Mona...
De acordo com os seus pressupostos mas....como diz...
Caro Dr. Pedro Quartin Graça, em obrigação para co...
Muito lhe agradeço a sua atenção! Parabéns!
Twitter:
    follow me on Twitter
    ResearcherID-Plaxo-LinkedIn-Xing:
    Visualizar perfil de Pedro Quartin Graça no LinkedIn Pedro Quartin Graça Intellectual Property/Patents Expert