Blog pessoal criado em 2003
14 de Agosto de 2010

"Posso deixar de conduzir o burro mas o vinho não deixo"

Entrou no anedotário nacional a já célebre detenção de um agricultor de uma pequena aldeia de Celorico da Beira, em concreto Salgueirais, de seu nome Jorge Rodrigues, apanhado a conduzir uma carroça atrelada por um burro, com uma taxa de álcool de 2,84. Não foi, aliás, a primeira vez que tal aconteceu mas, neste pais mergulhado na silly season Foi a segunda vez que tal aconteceu, mas nem as circunstâncias nem a elevada taxa causaram estranheza no povo. Afinal, "passa os dias a beber até cair".

Jorge, de 34 anos, foi apanhado na quarta-feira à noite, em Celorico, quando regressava a Salgueirais. "Mandaram-me parar e soprar ao balão", conta. Perante a elevada taxa de alcoolemia, foi conduzido ao posto da GNR enquanto o burro ficou à beira da estrada, "preso por um baraço [corda] a uma árvore", afiança Jorge.

Como em Celorico da Beira a GNR não dispõe de um aparelho para fazer a contraprova, Jorge foi levado à GNR da Guarda onde foram confirmados os 2,84 g/l de taxa de álcool. Ficou detido e na quinta-feira foi levado ao Tribunal de Celorico da Beira de onde foi mandado em liberdade até à realização do julgamento.

Foi buscar o burro e voltou à vida de sempre, na companhia da mulher, de 54 anos, Conceição. Jorge "não sabe ler nem escrever" e de leis "pouco percebe". Mas sabe que "esta foi a segunda vez" que foi apanhado a conduzir a carroça embriagado.

Mas na aldeia todos se lembram. "Foi há um mês quando ia pela estrada, bêbado e provocou um acidente", diz Diogo Cardoso. Jorge é bem conhecido. Pelas piores razões. Ele e a mulher "embebedam-se e só fazem disparates", revela o ancião. Ao lado, Paulo Francisco acena, em concordância. Jorge nasceu na Velosa, uma aldeia do outro lado da serra e foi viver para os Salgueirais "com uma mulher mais velha que ficou viúva e tem uma pequena pensão", adianta Paulo Francisco. Conceição "tem problemas de álcool e os filhos já por duas vezes a levaram para tratamento, mas quando sai do hospital cai nas mãos deste patife e passam a vida nisto", atira Diogo. Na aldeia a notícia da detenção "só trouxe alegria". É que o casal "são uns pilha-galinhas. Deitam a mão a tudo quanto podem".

Pedro Santos que o diga. "Uma ocasião vim a casa e vou dar com ele deitado na minha cama. Veio para roubar e adormeceu..." O casal "não trabalha e deita a mão a tudo quanto arrebanha", conclui.

Para o povo, o problema são os animais. "Têm uma cadela que é pele e osso. Passa os dias sem comer e o burro leva cada enxerto de porrada que mete dó. E, quando andam nas tabernas, o animal fica ao deus-dará", diz Deolinda, outra vizinha, para quem o casal "precisa de ajuda. De manhã à noite bebem e depois ficam em casa a curar a tolada [bebedeira]. Às vezes ficam vários dias sem saírem de casa", desabafa.

Queixas que não atemorizam Jorge Rodrigues, que ontem já andava estrada fora com a sua carroça. Nem o tribunal o amedronta. "Não penso largar o vinho. Posso deixar de conduzir o burro, mas o vinho não deixo", garante ao DN.

publicado por Pedro Quartin Graça às 07:22
tags: ,

CorretorEmoji

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
11 comentários
11 comentários
10 comentários
7 comentários
6 comentários
5 comentários
5 comentários
5 comentários
4 comentários
4 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Com o relvas à ilharga só pode perder!
Não ao servilismo em relação a outros estados; sim...
Considero este texto extremamente rico, ao abordar...
Só uma palavra: concordo!
Obrigado pelo seu comentário.PQG
Lembro-me perfeitamente desse dia trágico: a surpr...
É lamentável, cada vez dou-Lhe menos crédito. Mona...
De acordo com os seus pressupostos mas....como diz...
Caro Dr. Pedro Quartin Graça, em obrigação para co...
Muito lhe agradeço a sua atenção! Parabéns!