Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

PEDRO QUARTIN GRAÇA

Blog pessoal criado em 2003

PEDRO QUARTIN GRAÇA

Blog pessoal criado em 2003

...

25.10.08, Pedro Quartin Graça
PEDRO QUARTIN GRAÇA ENTREVISTADO POR "O JORNAL"

Que comentário faz aos 3 anos de Governo Socialista?

      Foram três anos de uma gestão do País em que o que contou foi apenas a redução do deficit publico e, para concretizar esse objectivo, tudo valeu, nomeadamente em sede de cerceamento dos direitos, como a limitação dos direitos liberdades e garantias dos administrados, uma inacreditável e cega obsessão pela perseguição dos contribuintes, uma total ausência de políticas de saúde, de cultura e o menoscabar da imagem das instituições, essencialmente a do Parlamento. Foi durante o consulado de Sócrates que mais se atingiu a Família enquanto instituição primordial e imprescindível da sociedade, com a aprovação do Aborto Livre e a recente facilitação do divórcio, sem que se cuidasse, como bem assinalou o Presidente da República, de preservar as pessoas mais prejudicadas por esse novo regime. Foi, no fundo, e a meu ver, uma página muito negra da História de Portugal marcada por um claro retrocesso no desenvolvimento da sociedade rumo ao progresso e ao desenvolvimento que seriam desejáveis.

     Desde há algum tempo que, normalmente, quando é eleita uma nova maioria, esta culpa sempre a anterior das desgraças do País, fazendo quase um “efeito bola de neve” ao longo dos anos. Pergunto se a culpa não será de todos?

      É evidente que todos têm de dividir as culpas mas a verdade também é que são os socialistas os responsáveis pela maior parte dos anos de Governo em Portugal desde o 25 de Abril. Assim sendo…

      O Professor é conhecido por ser Monárquico. A pergunta que lhe faço é dadas as crises que Portugal tem vindo a viver nestes últimos anos, uma mudança de regime para uma Monarquia Parlamentar e Democrática, não poderia dar aos Portugueses uma “lufada de ar fresco”, sinónimo de esperança?

      Concerteza que sim. Seria uma oportunidade fantástica para relançar Portugal e a sua imagem interna e externamente. Representaria também uma mudança nas Instituições e na forma de fazer política. O Rei estaria em muito melhor posição de mediar a vida político - partidária em Portugal.

     Que comentário lhe merecem as 3 Republicas Portuguesas?

      A 1ª República foi, de longe pior que os anos mais sombrios da Monarquia, época em que todos os abusos foram praticados. E tanto assim foi que caiu, podre. A 2ª caracterizou-se por um certo recuperar da identidade nacional mas manifestamente insuficiente. A 3ª é aquilo que vemos, com a gradual desacreditação das instituições cuja imagem nunca esteve tão baixa como nos últimos anos. Creio que actualmente já são poucos os republicanos convictos, sendo que o povo português é  estruturalmente monárquico e isso é um motivo de esperança no sentido da Restauração.

      A Democracia parece estar em crise com um cada vez maior número de abstencionistas. A pergunta que lhe faço é: não seria melhor haver voto obrigatório, sob pena de coima, como aliás existe em alguns países como a Bélgica?

      Concordo. Há muitos anos que tenho vindo a matutar nesse assunto. O voto deve mesmo ser obrigatório. Quem se desinteressa da construção do seu País, não votando, deve ser “penalizado” por esse desinteresse através de um tipo de sanção a estudar. Trata-se de uma clara demissão daquele que é no meu entender não só um direito mas um dever de cidadania.

      É a favor ou contra a imunidade parlamentar e/ou governamental seja central ou local? Porquê?

      Creio que nesse aspecto o actual regime é correcto mas pode ser aperfeiçoado.

      Até quando seremos obrigados, nós Portugueses, a ter uma Constituição tão fortemente ideológica, em que cujo preâmbulo, ainda persiste o “caminhar para uma sociedade socialista” e até quando, ainda mais grave, teremos que ter a imposição constitucional que impede um referendo à Chefia do Estado?

     O preâmbulo destina-se actualmente mais a consagrar aquilo que foi uma opção da história em determinada momento. Ainda assim a revisão da Constituição nessa matéria será inevitável. Já fizemos algumas tentativas, mas ainda sem sucesso.

O Movimento Partido da Terra. Qual é a sua missão? A que objectivos se propõe ao nível da governação do País?

           Partido da Terra assume-se antes de mais como partido ecologista,  tendo por base o humanismo e a solidariedade.  Defendemos a igualdade de condições e de dignidade para todos os portugueses e assumimos como alicerce da nossa acção política a defesa da Terra e o Eco-desenvolvimento como um novo modelo de desenvolvimento sustentável, participado pelas comunidades naturais e pelos cidadãos.  Apontamos o crescimento económico pelo crescimento, quer ele seja de base mercantilista ou marxista, como o principal factor de desequilíbrio social e de degradação dos recursos naturais, da marginalização social, da pobreza, da indignidade da pessoa humana e das doenças que alastram nas actuais sociedades. O Eco-desenvolvimento pressupõe uma visão humanista do Mundo, que exige atitudes e soluções globais perante os graves problemas que afligem os povos e deverá constituir o fundamento de um novo modelo de desenvolvimento. Esta proposta envolve profundas alterações de comportamento e nos modos de fazer política que estão para além das reformas possíveis do contexto existente. É por isto que acreditamos que este projecto, ainda que não seja desde já aceite por uma parte significativa dos eleitores, a breve prazo o será, como modo de sobrevivência e de salvaguarda dos valores fundamentais do equilíbrio entre o Homem e a Natureza e da solidariedade entre as pessoas e os povos.  O MPT  tem por objectivo promover a integração das suas propostas na prática política, a todos os níveis, incluindo o dos outros partidos. À política praticada por profissionais, contrapomos uma política exercida por todos os cidadãos, aos mais diversos níveis de decisão, defendendo que todo o cidadão tem o direito e o dever de pôr as suas convicções e o seu conhecimento ao serviço da comunidade.  

      Considera que a nível ambiental estamos muito longe do que se deve fazer para combater o aquecimento global?

      Ainda longe e agora cada vez mais longe de Quioto. Há muito trabalho a fazer. Começando por Portugal. 

      Que comentário lhe merece as políticas de Ordenamento do Território, quando se vê a maior parte da população no Litoral?

     Um desastre, com graves responsabilidades dos socialistas nesta matéria. Caminhamos no sentido de um País do terceiro mundo, com, uma capital com mais de 2 milhões de pessoas e um interior desertificado.

      Que comentário lhe merece o aumento da criminalidade? Concorda que as medidas de coação deveriam ser mais graves? Por ex: no que toca aos imigrantes, estes que pediram a nacionalidade portuguesa, além de serem repatriados para o seu país de origem, também perderem o direito à nacionalidade portuguesa.

      É preocupante. Não devemos todavia aumentar as penas já que as mesmas, de forma genérica, têm molduras penais correctas. Temos é de seguir com muita atenção aqueles que se dedicam à criminalidade, mesmo entre as comunidades imigrantes, defendendo eu a existência de medidas preventivas no combate ao crime. Se diminuirmos de uma forma acentuada o tráfico de droga daremos um passo gigante no sentido da diminuição da criminalidade.

      Deveria de existir em Portugal a prisão perpétua?

      Não sou adepto sinceramente. Fomos pioneiros na sua abolição e devemos orgulhar-nos disso.

      Faz sentido se pensar num sistema Bicamaral no actual sistema político? Porquê?

      Acho que sim. Já o defendi há 20 anos. Daria uma melhor resposta ao nível da representação da sociedade portuguesa 

      Acredita que Portugal a médio prazo pode ganhar uma Monarquia Parlamentar e Democrática?

      Não só acredito como luto por isso. Não podemos desistir

      Que futuro deseja para Portugal?

      De paz, progresso e desenvolvimento, com respeito pela Vida, pelo Ambiente e em que os Portugueses possam viver com qualidade e não apenas sobreviver. Um Portugal melhor, em suma.


http://fdrojornal.wordpress.com/2008/10/25/grande-entrevista-a-pedro-quartin-graca/

...

25.10.08, Pedro Quartin Graça
QUANDO UMA MARCA DE BEBIDAS ALCOÓLICAS FAZ UM ANÚNCIO EXCEPCIONAL NA DEFESA DO AMBIENTE