Blog pessoal criado em 2003
21 de Dezembro de 2008


IVA: Deputado quer imposto mínimo em todos os alimentos

Lisboa, 21 Dez (Lusa) - O deputado do Movimento Partido da Terra, Luís Carloto Marques, quer fazer quatro ministérios alterar o IVA para que seja "coerente" na área dos alimentos, reduzindo a taxa para o mínimo de cinco por cento em todos os produtos. 

    Luís Carloto Marques avançou à agência Lusa que vai entregar um requerimento ao ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas e ao ministério da Economia e Inovação, bem como aos ministérios da Saúde e Finanças para que "analisem o Código do IVA que incide sobre bens alimentares, de modo a torná-lo coerente".

    O objectivo é baixar o IVA para adaptar o imposto às características do alimento, mas também para promover o emprego em regiões do interior ou o aumento do consumo para beneficiar quem produz e quem compra, afirma Carloto Marques. 

    Este não é o primeiro passo do deputado no que diz ser a defesa da "igualdade de tratamento" dos alimentos, no que ao IVA diz respeito, e Carloto Marques destaca o esforço na defesa dos produtos tradicionais portugueses como os frutos secos e as carnes "secas, salgadas ou em salmoura", como paios, presuntos ou chouriços.

    Para o deputado, "há motivos claros para a revisão do Código do IVA", uma conclusão a que chegou quando se apercebeu que a taxa paga pela carne fresca e congelada é de cinco por cento, mas quando se trata de um produto conservado em salmoura ou seco, o imposto eleva-se a 12 por cento.

    "A incoerência é tanto maior quanto para o peixe o processo é diferente pois tanto o fresco, como congelado ou salgado, como o bacalhau, é todo taxado a cinco por cento", acrescenta.

    A perplexidade do deputado eleito por Setúbal acentuou-se quando analisou a taxa aplicada aos frutos, que é de cinco por cento para a fruta em geral, mas sobe aos 12 por cento para os frutos secos.

    "A ameixa, a uva ou o figo, quando saem da árvore são taxados a cinco por cento, mas quando perdem a água passam a pagar 12 por cento", afirma.

    Luís Carloto Marques apresentou as suas primeiras propostas durante a discussão do Orçamento de Estado para 2009, rejeitadas pelo PS. 

    Mas o deputado promete não desistir de tentar mudar o que chama "uma fiscalidade negativa baseada em preconceitos", que, afirma, beneficia o litoral sobre o interior do país.

    

    EA/RBV -  Lusa/fim
publicado por Pedro Quartin Graça às 19:59
Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
22
23
24
25
26
27
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
11 comentários
11 comentários
10 comentários
7 comentários
6 comentários
5 comentários
5 comentários
5 comentários
4 comentários
4 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Com o relvas à ilharga só pode perder!
Não ao servilismo em relação a outros estados; sim...
Considero este texto extremamente rico, ao abordar...
Só uma palavra: concordo!
Obrigado pelo seu comentário.PQG
Lembro-me perfeitamente desse dia trágico: a surpr...
É lamentável, cada vez dou-Lhe menos crédito. Mona...
De acordo com os seus pressupostos mas....como diz...
Caro Dr. Pedro Quartin Graça, em obrigação para co...
Muito lhe agradeço a sua atenção! Parabéns!