Blog pessoal criado em 2003
21 de Dezembro de 2008


IVA: Deputado quer imposto mínimo em todos os alimentos

Lisboa, 21 Dez (Lusa) - O deputado do Movimento Partido da Terra, Luís Carloto Marques, quer fazer quatro ministérios alterar o IVA para que seja "coerente" na área dos alimentos, reduzindo a taxa para o mínimo de cinco por cento em todos os produtos. 

    Luís Carloto Marques avançou à agência Lusa que vai entregar um requerimento ao ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas e ao ministério da Economia e Inovação, bem como aos ministérios da Saúde e Finanças para que "analisem o Código do IVA que incide sobre bens alimentares, de modo a torná-lo coerente".

    O objectivo é baixar o IVA para adaptar o imposto às características do alimento, mas também para promover o emprego em regiões do interior ou o aumento do consumo para beneficiar quem produz e quem compra, afirma Carloto Marques. 

    Este não é o primeiro passo do deputado no que diz ser a defesa da "igualdade de tratamento" dos alimentos, no que ao IVA diz respeito, e Carloto Marques destaca o esforço na defesa dos produtos tradicionais portugueses como os frutos secos e as carnes "secas, salgadas ou em salmoura", como paios, presuntos ou chouriços.

    Para o deputado, "há motivos claros para a revisão do Código do IVA", uma conclusão a que chegou quando se apercebeu que a taxa paga pela carne fresca e congelada é de cinco por cento, mas quando se trata de um produto conservado em salmoura ou seco, o imposto eleva-se a 12 por cento.

    "A incoerência é tanto maior quanto para o peixe o processo é diferente pois tanto o fresco, como congelado ou salgado, como o bacalhau, é todo taxado a cinco por cento", acrescenta.

    A perplexidade do deputado eleito por Setúbal acentuou-se quando analisou a taxa aplicada aos frutos, que é de cinco por cento para a fruta em geral, mas sobe aos 12 por cento para os frutos secos.

    "A ameixa, a uva ou o figo, quando saem da árvore são taxados a cinco por cento, mas quando perdem a água passam a pagar 12 por cento", afirma.

    Luís Carloto Marques apresentou as suas primeiras propostas durante a discussão do Orçamento de Estado para 2009, rejeitadas pelo PS. 

    Mas o deputado promete não desistir de tentar mudar o que chama "uma fiscalidade negativa baseada em preconceitos", que, afirma, beneficia o litoral sobre o interior do país.

    

    EA/RBV -  Lusa/fim
publicado por Pedro Quartin Graça às 19:59

CorretorEmoji

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
22
23
24
25
26
27
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
11 comentários
11 comentários
10 comentários
7 comentários
6 comentários
5 comentários
5 comentários
5 comentários
4 comentários
4 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Com o relvas à ilharga só pode perder!
Não ao servilismo em relação a outros estados; sim...
Considero este texto extremamente rico, ao abordar...
Só uma palavra: concordo!
Obrigado pelo seu comentário.PQG
Lembro-me perfeitamente desse dia trágico: a surpr...
É lamentável, cada vez dou-Lhe menos crédito. Mona...
De acordo com os seus pressupostos mas....como diz...
Caro Dr. Pedro Quartin Graça, em obrigação para co...
Muito lhe agradeço a sua atenção! Parabéns!